Total de visualizações de página

terça-feira, 29 de julho de 2014

Pai de Neymar nega orgia e processa ex-presidente do Santos

Pai de Neymar nega orgia e processa ex-presidente do Santos (Crédito: Divulgação)
Neymar da Silva Santos, pai de Neymar Junior, atacante da Seleção Brasileira, abriu processo contra Luis Álvaro Ribeiro, ex-presidente dos Santos. Laor, como é conhecido, declarou que o pai de Neymar era um mentiroso e que a negociação com o Barcelona havia envolvido uma orgia com prostitutas em Londres.
Ele se defendeu e quer uma indenização de R$ 20 mil por danos morais. A carta diz: "Responsável por orgias, mercenário, irresponsável... Prostituição, mau-caráter, mentiroso, duas caras... São tantos adjetivos que conduzem à inarredável conclusão que o réu (Luis Álvaro) injuriou e difamou o autor (Neymar pai), com a intenção de ofendê-lo pessoalmente com propósito espúrio e evidentemente desabonador", explicam os advogados na ação, em carta publicada pela ESPN.com.br.
As denúncias de Laor complicaram ainda mais a negociação nebulosa entre Neymar e Barcelona. Após o presidente Sandro Rosell deixar o cargo, o Barcelona divulgou um acréscimo que 40 milhões de euros ao negócio, que oficialmente havia custado 46 milhões de euros.
O excedente foi descoberto depois e pago diretamente à empresa do pai de Neymar. Parte desse dinheiro foi pago anos antes da operação ser concluída, o que foge das regras da Fifa. Rosell e Neymar pai são investigados por terem sonegados os impostos desta operação paralela.



Fonte: Yahoo Brasil

Adeus, Ronaldinho: após dois anos e dois meses, craque está fora do Galo

Saída amigável é definida em reunião entre a diretoria do Atlético-MG e Assis, irmão do jogador

Globoesporte.com
Vinte e oito de julho de 2014. Será sempre a data lembrada pelo torcedor do Atlético-MG como aquela em que Ronaldinho Gaúcho, um dos maiores ídolos da história do clube, encerrou seu ciclo vitorioso no alvinegro. Após uma reunião entre a diretoria e o irmão e empresário do jogador, Roberto Assis, na manhã desta segunda-feira, ficou definida a rescisão amigável do contrato, que deveria durar até o fim da temporada. O desejo partiu do próprio meia, que concederá entrevista coletiva na próxima quarta-feira, quando anunciará o seu futuro. Pendurar as chuteiras está fora de cogitação, segundo Assis.

- Ele joga até os 42. O futuro vamos revelar para vocês na quarta-feira - brincou o empresário, em conversa rápida nesta segunda.

Participando do programa Arena Sportv, o técnico Levir Culpi foi perguntado se contava com R10 para o restante da temporada e mostrou que já sabia do futuro do meia.

- Não. Não conto mais com Ronaldinho. A notícia que eu recebi é que ele já teria assinado a rescisão de contrato. Esta é a noticia oficial que eu recebi. Então terminou o ciclo do Ronaldinho conosco, infelizmente. Porque ele é um ídolo de todos nós. Todo mundo gosta do seu futebol, da maneira como ele joga, ele é muito carismático. Mas é assim que funciona, ele está saindo e a gente vai seguir sem ele - afirmou Levir.

O último jogo de Ronaldinho Gaúcho foi diante do Lanús-ARG, pelo segundo jogo da Recopa Sul-Americana, quando o Atlético-MG conquistou o título inédito da competição. Depois, foi liberado para participar do jogo de despedida do meia luso-brasileiro Deco, em Portugal, que ocorreu na última quinta-feira. O meia disse ter perdido o voo e permaneceu no Brasil. Por causa da viagem, R10 havia sido liberado do jogo do Atlético-MG contra o Sport e dos treinos até a próxima terça-feira.

Porém, por não ter viajado, a diretoria atleticana e o técnico Levir Culpi esperavam que o jogador voltasse aos treinos na sexta-feira, o que não aconteceu. A situação estremeceu a relação, que já não estava boa por causa do baixo rendimento do meia com a camisa alvinegra em 2014.

Mas a situação não deverá manchar a imagem deixada por Ronaldinho diante da torcida atleticana. Em 88 jogos, com 28 gols, ele contribuiu para que o Atlético-MG elevasse seu status no cenário internacional, conquistando a Libertadores de 2013 e a Recopa Sul-Americana nesta temporada, títulos inéditos na história do clube. Além disso, o jogador conquistou o Campeonato Mineiro do ano passado e foi vice-campeão Brasileiro em 2012.

O certo é que Ronaldinho deixará saudades na torcida atleticana, que depositou as esperanças no jogador de dias melhores pelo clube e teve como recompensa títulos, gols e momentos felizes durante os dois anos, um mês e 24 dias que o atleta permaneceu no Galo.

domingo, 27 de julho de 2014

Em GP imprevisível, Ricciardo vence, e Hamilton conquista o pódio

 Na Hungria, australiano da RBR desbanca Alonso e Lewis nas voltas finais e triunfa
Globo Esporte

Em um GP da Hungria imprevisível até a bandeira quadriculada, Daniel Ricciardo desbancou os rivais e levou a RBR a uma surpreendente vitória. O australiano passou Fernando Alonso e Lewis Hamilton nas voltas finais e alcançou seu segundo triunfo na temporada. Com pneus gastos, o espanhol da Ferrari e o britânico da Mercedes conseguiram garantir um lugar no pódio. Líder do campeonato, Nico Rosberg pressionou o companheiro de equipe, mas terminou em quarto. Felipe Massa completou a prova em quinto, enquanto seu parceiro de Williams, Valtteri Bottas terminou em oitavo, atrás de Kimi Raikkonen (Ferrari) e Sebastian Vettel (RBR). Completaram o top 10, Jean-Eric Vergne (STR) e Jenson Button (McLaren).

A corrida

Uma forte pancada de chuva pouco antes do horário marcado para a largada deixou a pista encharcada. Todos os pilotos foram para o grid de pneus intermediários e foram cautelosos na largada. O pole Rosberg manteve a liderança, enquanto Bottas passou Vettel e assumiu a segunda colocação. Alonso passou os dois carros da RBR e subiu para terceiro. Já Massa, após a capotagem no GP anterior, foi ainda mais cauteloso e acabou perdendo duas posições, caindo para oitavo.

Após o incêndio em sua Mercedes, Hamilton largou do pitlane. Na primeira volta, levou um susto. Com os freios mais frios por não ter dado volta de apresentação e ansioso em ganhar posições, acabou rodando ao errar uma freada e se chocou de leve no muro. O suficiente para quebrar um pedaço da asa dianteira. Ainda na primeira volta, Alonso deu uma escapada na pista molhada e acabou sendo ultrapassado por Vettel.

Enquanto Rosberg abria 10 segundos de vantagem na ponta em apenas 6 voltas, Hamilton escalava o pelotão e já aparecia em 13º, deixando para trás Maldonado, Chilton, Ericsson, Magnussen, Kvyat, Bianchi, Kobayashi, Grosjean e Raikkonen.

Safety car entra e muda história da prova

Na oitava volta, o sueco Ericsson perdeu o controle de sua Caterham na traiçoeira pista molhada e bateu forte na reta oposta. O safety car precisou ser acionado. Alguns pilotos como Hamilton, Ricciardo e Massa aproveitaram a paralisação para ir para os boxes e trocar os pneus intermediários por compostos para a pista seca. Já os quatro primeiros – Rosberg, Bottas, Vettel e Alonso – já haviam passado pela entrada dos boxes e pararam apenas na volta seguinte. Enquanto isso, Button e Magnussen preferiram se manter na pista com pneus intermediários.

Com isso, houve muita alteração na classificação. Ricciardo assumiu a liderança, seguido por Button, Massa, Rosberg, Magnussen, Vergne, Vettel, Alonso, Hulkenberg e Pérez. Nesse momento, Hamilton se encontrava na 13ª posição, logo à frente de Raikkonen.

Grosjean bate sob mandeira amarela

Mesmo sob bandeira amarela, Grosjean acabou batendo sozinho, no mesmo local de Ericsson, e o carro de segurança precisou continuar na pista.

Na relargada, com os pneus intermediários, Button passou Ricciardo e assumiu a liderança. Sem previsão de chuva, a McLaren falou para o inglês pisar fundo e tentar abrir o máximo possível. Hamilton fez um ótimo recomeço de corrida, passou Gutiérrez, Bottas, Hulk, Pérez e subiu para nono. Enquanto isso, Rosberg, reclamando do freio, perdia posições para Alonso e Vergne e caía para sétimo. Após 15 voltas, apenas a RBR de Vettel separava as duas Mercedes.

Só Vettel separa Nico de Hamilton

As Mclarens não duraram muito tempo com pneus intermediários e foram para os boxes. Com isso, Ricciardo reassumiu a liderança, seguido por Massa, Alonso, Vergne, Rosberg, Vettel e Hamilton. Em uma corrida movimentada, Hulk abandonou após tocar em uma STR, enquanto Maldonado bateu em Bianchi, forçando ambos a visitarem os boxes. Em sétimo, Hamilton fazia de tudo para passar Vettel. Até a equipe pedir para ele tomar cuidado porque seu freio estava superaquecendo.

Pérez bate e safety car entra novamente

Na 23ª volta, foi a vez de Pérez bater forte, em plena reta principal, provocando mais uma entrada do safety car. Ricciardo, Massa e Bottas aproveitaram para fazer uma nova troca de pneus, retornando, respectivamente, em sexto, sétimo e 13º. De todos que foram aos boxes, somente a dupla da Williams optaram pelos pneus médios. Com isso, Alonso passou a ser o novo líder. Na sequência apareciam Vergne, Rosberg, Vettel e Hamilton.

Na relargada, Alonso administrou a ponta. Rosberg passou a pressionar Vergne pelo segundo lugar, enquanto Hamilton, quarto, não sabia se atacava Vettel ou se defendia de Ricciardo.

Vettel dá 360º em plena reta

Enquanto Rosberg entrava nos boxes para mais um pit stop, Vettel perdeu o controle de sua RBR na entrada da reta. O alemão deu um giro de 360º e mostrou habilidade para evitar uma batida mais forte no muro, apenas encostando a roda traseira esquerda de leve. O britânico da Mercedes passou para terceiro. Inspirado, o campeão de 2008 deu o bote em Vergne e assumiu o segundo lugar. Vettel e Vergne foram pra os boxes e a classificação após 35 voltas era: Alonso, Hamilton, Ricciardo, Massa e Raikkonen. Rosberg voltou em décimo, logo atrás de Bottas.

Alonso foi mais uma vez para os boxes e Hamilton assumiu a liderança da prova. Mas por pouco tempo. O inglês foi para os boxes na volta seguinte, cedendo a ponta para Ricciardo. Massa, com estratégia diferente era o segundo. Raikkonen aparecia em terceiro. Alonso, Hamilton e Rosberg – que acabara de se livrar de Bottas – vinham na sequência.

Com 43 voltas das 70 voltas completadas, Ricciardo tinha aberto 14 segundos de vantagem sobre Massa. Mas o brasileiro decidiu antecipar sua parada nos boxes e colocar um novo jogo de pneus médios e voltou em sexto, próximo de seu companheiro de Williams, Bottas.

Clima esquenta na Mercedes

Quarto colocado, Rosberg se aproximava de Hamilton. Pelo rádio, a Mercedes pediu para o britânico deixar o alemão passar, apesar da distância razoável que separavam os dois. O argumento era que Nico vinha com pneus macios e precisava fazer mais um pit stop, enquanto Hamilton estava com compostos médios. Lewis, no entanto, não cedeu a posição e ainda questionou a equipe: “E meus pneus, será que vão durar até o fim?”. Enquanto isso, o alemão reclamava com a equipe pelo rádio.

Líder, Ricciardo via sua vantagem para Alonso diminuir a cada volta, caindo para 12 segundos a 15 voltas do fim. O australiano, enfim, foi para os boxes, retornando em quarto. Alonso retornou para a ponta, quatro segundos à frente de Hamilton e a cinco de Rosberg. Bottas aparecia em sexto, com Massa e Raikkonen próximos.


Na volta 57, Rosberg fez seu terceiro pit stop e retornou em sétimo, atrás de Kimi. A dez voltas do fim, o cenário era o seguinte, Alonso liderava, mas com pneus macios já gastos. Hamilton era o segundo, com compostos médios relativamente usados. Em terceiro aparecia Ricciardo com um jogo novinho de macios. Massa era o quarto com médios, seguido por Rosberg também com pneus novos e Raikkonen.

Nico então, deixou Felipe para trás, e assumiu o quarto lugar. Mais na frente, a briga pela vitória era emocionante. Alonso, Hamilton e Ricciardo estavam colados. O espanhol da Ferrari se segurava com pneus gastos e chegou até a sair da pista. O australiano tentou fazer a manobra sobre Hamilton, mas o inglês fez jogo duro e segurou a segunda posição.

A quatro voltas do fim, Ricciardo, enfim deu o bote no inglês e partiu para caça a Alonso. Um giro depois, a revelação da RBR superou o espanhol e assumiu a ponta. Com tanta confusão lá na frente, Rosberg já se aproximava dos de Hamilton e Alonso. Com penus em melhores condições, o australiano disparou para frente rumo à vitória.

Nico partiu para cima do companheiro de Mercedes, mas o inglês deu um chega pra lá e se manteve em terceiro. Alonso, com pneus em frangalhos, arrancou um incrível pódio. Massa cruzou em quinto. Raikkonen, Vettel, Bottas, Vergne e Button completaram a zona de pontuação.

sábado, 26 de julho de 2014

Flamengo e Botafogo estão entre os que mais erram passes no Brasileiro

Em clássico, alvinegro, bom no jogo aéreo defensivo, terá que anular rubro-negro, que marca 57% dos gols de cabeça
GloboEsporte.com, por Guilherme Marçal e Igor Gonçalves
Flamengo e Botafogo não atravessam grande fase. Além da posição ruim na tabela do Brasileiro, as estatísticas também comprovam a baixa produção dos times em campo. Um exemplo disso são os passes errados. O Rubro-Negro ocupa a segunda colocação no ranking deste quesito no campeonato, com média de 39,9 por jogo, seguido de perto pelo Alvinegro, com 37. Se mantiverem os números no clássico do próximo domingo, às 18h30, no Maracanã, o jogo será um festival de erros neste fundamento.

O atacante Paulinho, que retorna de lesão e está à disposição do técnico Vanderlei Luxemburgo para o confronto, é quem mais erra passes no Flamengo. Ele atuou em dez partidas e errou 46 vezes ao todo, uma média de 4,6 por jogo. Já no Botafogo os laterais-direitos Lucas e Edílson foram os que mais falharam, com 40. Ambos participaram de oito partidas no Brasileirão. Os dois disputam posição para o clássico, mas podem até atuar juntos se o técnico Vagner Mancini optar por Edílson no meio-campo, como já fez em algumas oportunidades na competição.

Além do duelo rasteiro, nos passes errados, outro embate deve ser observado na partida. O jogo aéreo do Flamengo é eficiente. Embora tenha marcado apenas sete gols na competição, quatro deles foram de cabeça, com Alecsandro (2), Paulinho e Samir - o último está fora por lesão. Por isso, o Botafogo precisa ficar de olho nas bolas pelo alto do rival, certo? Sim, mas o Alvinegro, aparentemente já faz isso - e muito bem. Dos 13 gols sofridos, os botafoguenses levaram só um de cabeça, marcado pelo centroavante Rafael Moura, do Inter. Alecsandro é da mesma posição e terá que ser vigiado de perto.

quarta-feira, 23 de julho de 2014

Com Taffarel e Mauro Silva, Dunga anuncia comissão técnica da Seleção

Ao lado do coordenador Gilmar Rinaldi, treinador confirma ex-goleiro como preparador
Globoesporte.com
O técnico Dunga e o coordenador Gilmar Rinaldi anunciaram, na tarde desta quarta-feira, a nova comissão técnica da seleção brasileira. Titular nas Copa de 1990, 1994 e 1998, Taffarel está de volta. Ele será o preparador de goleiros, cargo que vinha exercendo no Galatasaray, da Turquia. Taffarel trabalhou com Dunga em 2010, como olheiro na Copa do Mundo. O cargo de auxiliar-técnico será de Andrey Lopes, que trabalhou recentemente com Dunga no Internacional.

Outro atleta campeão da Copa do Mundo de 1994, Mauro Silva também fará parte da comissão técnica.

- São pessoas que têm o DNA de campeão - disse Dunga, durante o anúncio, no site da CBF.

No entanto, segundo Gilmar Rinaldi, o ex-volante será um auxiliar-técnico pontual para os primeiros amistosos. A CBF pretende convidar ex-jogadores para colaborar em determinados jogos.

- O Mauro Silva será um auxiliar-técnico pontual. Teremos alguns jogadores convidados para nos ajudar. E o Mauro Silva foi o primeiro convidado para esses nossos primeiros jogos - revelou Gilmar Rinaldi.

O preparador físico Fábio Mahseredjian também foi confirmado. Ele vai substituir Paulo Paixão, que deixou a seleção brasileira com a antiga comissão técnica. Quem segue na Seleção é o médico Rodrigo Lasmar, do Atlético-MG.

Dunga foi confirmado como novo técnico da seleção brasileira nesta terça-feira. Ele retorna ao comando da equipe após quatro anos. Sua primeira convocação nesta nova fase será no dia 25 de agosto, quando ele chamará atletas para os amistosos contra Colômbia e Equador, nos dias 5 e 9 de setembro, respectivamente, nos EUA.

A atual comissão técnica da Seleção Brasileira está assim formada:

Coordenador técnico - Gilmar Rinaldi

Técnico - Dunga

Assistente técnico - Andrey Lopes

Assistente técnico pontual - Mauro Silva

Preparador físico - Fabio Mahseredjian

Preparador de goleiros - Claudio Taffarel

Médico - Rodrigo Lasmar

Fisioterapeuta - Odir de Souza

Administrador - Guilherme Ribeiro

Assessor de comunicação e imprensa - Vinícius Rodrigues

Analista de desempenho tático - Fernando Lázaro Alves

Chefe de segurança - Moacyr Alcoforado

Massagista - Sergio Luís Oliveira

Roupeiro - Manuel Carvalho de Souza

Roupeiro - Valdeci Leandro do Nascimento

sexta-feira, 18 de julho de 2014

Leonardo: 'Nunca falei com ninguém da CBF'

Tetracampeão e ex-técnico do Milan estaria disposto a trabalhar no Brasil
Globoesporte.com/Bastidores FC
O ex-jogador Leonardo afirma que nunca foi procurado ou sondado para assumir qualquer cargo na CBF, que promove reformulação depois do vexame na Copa do Mundo.

- Eu nunca recebi nenhum convite, nenhuma proposta de trabalho e realmente nunca falei com ninguém - declarou o tetracampeão, por telefone, de Milão, onde mora.

Na última quinta-feira a entidade apresentou Gilmar Rinaldi como coordenador geral de seleções. Na próxima terça, vai anunciar o treinador que vai substituir Luiz Felipe Scolari.

Leonardo, que foi treinador do Milan e do Internazionale, além de dirigente do Paris Saint-Germain, foi absolvido em todas as instâncias da acusação de ter empurrado um árbitro quando era diretor do PSG - está, portanto, apto a ocupar qualquer cargo em clube ou seleção.

O ex-jogador não fala sobre o assunto, mas, segundo o blog apurou, Leonardo estaria disposto a trabalhar no Brasil, depois de tanto tempo morando na Europa.

quinta-feira, 17 de julho de 2014

Ex-dirigente da CBF, Américo Faria critica saída de Felipão e Parreira

Ligado a cargos executivos do órgão por mais de 20 anos, ex-supervisor da Seleção é favorável à continuidade do trabalho e cita falta de planejamento

GloboEsporte.com
Calejado, firme e detentor de um vasto currículo. Com cerca de 20 anos de experiência em cargos executivos na CBF, Américo Faria acumula na bagagem duas conquistas de Copa do Mundo, em 1994 e 2002. Não tão conhecido pelo público por estar sempre vinculado a funções burocráticas, se desligou da entidade ao "cair abraçado" com Dunga, no fracasso do Brasil no Mundial de 2010, na África do Sul. No entanto, atualmente, pouco mais de quatro anos depois, mas com a mesma fala mansa que denota respeito, volta à tona para defender o trabalho feito por Felipão e Parreira que culminou no terceiro lugar no Mundial.

Indo na contramão da opinião pública, Américo Faria não concorda com a saída de Felipão e se mostra favorável à continuidade do projeto feito nesta Copa do Mundo. O ex-supervisor da CBF exime a comissão do vexame e acredita que a derrota brasileira se deve ao fato de os atletas não terem rendido o que esperado.

- Ganhar uma Copa do Mundo é muito difícil. O problema não foi a convocação. O problema é que os jogadores não renderam o que era esperado deles. Eu sou a favor da continuidade do trabalho. Infelizmente acho que o Felipão não teve o tempo necessário para o amadurecimento do trabalho. Mas acredito que o planejamento deve ser feito independente do resultado - disse.

Américo Faria critica ainda a postura de mudanças drásticas após derrotas contundentes. O ex-dirigente pede cautela aos homens fortes da CBF na hora de definir quem vai ser o próximo comandante do Brasil e os rumos da Seleção até o Mundial da Rússia, em 2018.

- Evidentemente que todos querem atingir um objetivo imediato. Mas às vezes ele não acontece tão próximo. Não acredito que esteja tudo errado com o Brasil. Após 2010 só se falava de Espanha e, agora, a Alemanha é que está no centro das atenções. Ganhar uma Copa depende de uma série fatores. Precisamos ter cautela para tomar as decisões. Planejamento é fundamental - concluiu.

A CBF deve anunciar o substituto de Felipão nos próximos dias. Depois de "aceitar o pedido de demissão" do treinador e de Carlos Alberto Parreira, a CBF demitiu na última terça-feira o diretor de comunicação Rodrigo Paiva. E também decidiu não trabalhar mais com o médico José Luis Runco e outros integrantes da comissão técnica.

Américo Faria dirigiu o Boavista no Campeonato Carioca deste ano - vencendo a Taça Rio, destinada aos pequenos - e agora procura um novo clube após se destacar no comando da equipe.